02 outubro 2013

O enredo político dos próximos meses

Método antigo de responsabilização passada

Acabaram as autárquicas e face aos resultados é necessário traçar a rota dos possíveis cenários, para que o português comum perceba a novela política daqui para frente.

Este é um ensaio político nacional, baseado na actualidade sem qualquer base científica que não seja o habitual modo de agir.

As autárquicas

Ninguém quer assumir as culpas do imenso desastre para o PSD que foram as autárquicas, se pedem a cabeça ao coelho, cai o governo.

Uns apontam ao bilderberg Jorge Moreira da Silva, o verdinho que escolheu os candidatos... Este bem coberto por "forças maiores", sai intocável da responsabilidade.

Outros apontam baterias, às candidaturas independentes, exigindo a expulsão do partido de acordo com os estatutos (palavra que surge sempre no seio do associativismo, quando mais convém!), algo que só dá força à equipa Rio/ Rangel no seio do PSD, por terem apoiado a candidatura vencedora no Porto.
Aqui veêm-se os 500 mil que Rio pagou ao escritório de advogados de Rangel surtirem efeito, quando este último ataca o outro bilderberg, Aguiar Branco.
Capucho é outro com a cabeça a prémio no seio do PSD.

Vi a Maria João Avillez defender na TVI24, que a abstenção, eram PSD que se tinham recusado votar...
Pensei para mim: " Aquilo é droga da boa ou a cota bateu forte com a cabeça!"

Que se lixem as eleições, até o professor Marcelo já disse que o Coelho é o pior líder do PSD que há memória e com a quantidade de autarcas no desemprego, é bem capaz de ser verdade...

Resumindo, o Coelho está por um fio à frente do PSD, mas se assumir a culpa, salta fora imediatamente.

A esta gente resta, como esperança, as Europeias em Maio de 2014, mas o PSD do Coelho ainda tem que fazer passar um 3º Orçamento de Estado, sobretudo pelo Tribunal Constitucional.

O PS sai vencedor das autárquicas, mas Seguro não...

O orçamento

Daqui até Março, há a novela do orçamento e a distribuição de benesses para 2014.
Cortes para uns e benesses quase pornográficas para outros em forma de juros, avenças, subsídios e entrefolhos...
Serão 6 meses de contestação duríssima e desgastante ao executivo.
O T.Constitucional é um misto de salvação popular com força de bloqueio ao executivo, não sendo nenhuma das duas, nem cumulativamente ambas.
Se o orçamento não passar o governo pode bem cair... A culpa aqui é do TC, nunca do Coelho que faz orçamentos inconstitucionais a favor dos amigos e da troika.
Esta será a desculpa ideal para encenar um 2º resgate (algo que todos vimos, quando pediram o primeiro...), perpetuando o pagamento de juros agiotas à troika, cavando fundo o colonato alemão e revelando que estes 2 anos e meio de Coelho de nada serviram, senão para afundar mais as contas, a economia e o retrocesso social...
Por esta altura, no PSD haverá já quem esteja a espumar da boca por um novo líder, que conduza à vitória (uma que seja...) nas europeias e dê emprego ao Menezes, ao Seara e tantos outros desalojados das autárquicas, carentes de praticar o bem, de bolso cheio.

O PS "abstêm-se violentamente" do orçamento, deixando o eventual chumbo para o TC.
O que pode criar ondas de cisão dentro do PS pela liderança do partido, sempre com a maralha socrática à espera de uma aberta.

As Europeias

Se Passos permanecer à frente do PSD, as Europeias arriscam-se a ter um resultado ainda pior do que as autárquicas, pelo acrescer de 6 meses de desgaste à imagem do Coelho.
Um evento catastrófico para o governo de Passos, mais ainda para o PSD, que veria o fenómeno do desemprego bater-lhe à porta.
Quem sabe fosse a oportunidade que Passos recomendou aos portugueses para mudarem de vida...
De qualquer forma, haverá autarcas a emigrar, para Bruxelas ou outro lugar qualquer.

O final do programa de assistência financeira é em Junho de 2014, logo depois de redesenhar o parlamento europeu.
Daqui a 9 meses...
Mas Passos, vaticina hoje a possibilidade de "morrer na praia" em relação ao final do programa agiota.

A ajuda externa

Passos tem vindo a ameaçar a continuação de um programa, sem assumir responsabilidades por isso, sabe que a generalidade dos portugueses não lhe perdoará em futuras eleições...
Os juros agiotas a que somos obrigados pela troika são insustentáveis face à realidade da nossa economia desmembrada pela mão invisível dos mercados auto regulados.
Somos um pequeno colonato Alemão, Passos baseia a sua estratégia nesta obediência sem perceber que fez o mesmo que o seu antecessor e que qualquer um pode ser cobrador de fraque em favor de Frau Merkel, Mr Barroso e Madame Lagarde, não há nada de especial ou relevante em ser um coelho.
O executivo paga o que não tem, para subtrair mais, é a lógica do sistema financeiro da alavancagem perpétua...
Desvia-se os lucros da economia real, para a economia fictícia e especulatória.
Renegoceia-se, suspende-se o pagamento ou pedimos mais para pagar?

É lógico, pedimos mais... A culpa, essa é do anterior governo.

Nota final:

Em todo este processo, o presidente Cavaco estará em:

a) Silêncio
b) Dando uma declaração disparata/despropositada de onde originará risota colectiva
c) Fazendo negociatas
d) Procurando Oliveira e Costa e Duarte Lima para refundar um banco
e) Dando cobertura ao governo, exaltando o regular funcionamento das instituições (excepto o TC)
f) Empregando todo o Cavaquistão no executivo
g) Elogiando animais como cagarras das desertas ou vacas sorridentes dos  Açores



2 comentários: