16 fevereiro 2013

Portugal terra da fraternidade


Há momentos que ficam para a história e se eternizam nas mentes do colectivo, o tema de Zeca Afonso é sinónimo de revolução, foi assim em 1974 e hoje na Assembleia da República...
Assim que Passos Coelho começou a falar, começámos a ouvir entoar "o sinal" que outrora servia para as forças armadas, desta feita vinha das arcadas do palácio, onde os "faladores recheados" encenavam o teatrinho da nação.

Portugueses briosos entoaram a canção de Zeca Afonso, para quem não reparou no canto superior direito, estava Garcia  Pereira do PCTP/MRPP e foi bonito de se ver.
Um protesto higiénico, salutar e cultural numa época onde motivar a liberdade é fundamental.

Foi um extraordinário momento de civismo e uma belíssima homenagem a Zeca Afonso.
O que faz falta é animar a malta e por isso deixo o video do acontecimento de hoje na Assembleia da Républica a par com a letra da música para aqueles que quiserem no futuro repetir a proeza ou simplesmente entoar o cântico.
Enquanto caem raios no Vaticano e meteoritos na Rússia, Portugal é de facto terra da fraternidade, um canto do céu e um pedaço do paraíso.

Grândola, vila morena
Terra da fraternidade
O povo é quem mais ordena
Dentro de ti, ó cidade
Dentro de ti, ó cidade
O povo é quem mais ordena
Terra da fraternidade
Grândola, vila morena
Em cada esquina um amigo
Em cada rosto igualdade
Grândola, vila morena
Terra da fraternidade
Terra da fraternidade
Grândola, vila morena
Em cada rosto igualdade
O povo é quem mais ordena
À sombra duma azinheira
Que já não sabia a idade
Jurei ter por companheira
Grândola a tua vontade
Grândola a tua vontade
Jurei ter por companheira
À sombra duma azinheira
Que já não sabia a idade



2 comentários:

  1. meteu-me fastio a cara de gozo daquele cabeça de atum daquele passos coelho...
    isto pra não lhe dar outro nome...

    ResponderEliminar
  2. Sabe Deus o que lhe ia na cabeça...E o que tinha nas fraldas...ehehehehehhe

    ResponderEliminar