10 setembro 2012

O paraíso da inverdade dos 7 pontos


Let the games begin...
É incrível demais, ver elementos do PSD, afirmarem de forma veemente (como o maçónico da Mozart, Luís Montenegro), que a subida da TSU de 11 para 18%, não se trata de uma subida de impostos...
Isto de acordo com a minuta que o governo entregou aos lacaios para debitarem nos media!

Este novo facto, que o maçónico Montenegro acrescentou, muda completamente todo o meu léxico e interpretação da política contemporânea.

De uma forma mais aterradora ainda que o infame acordo ortográfico e de forma mais vil do que gritar "demagogia", o PSD entrincheira-se nos terrenos pantanosos da "inverdade", essa conceptualização tão Socrática...
E que apenas 1 ano depois de ser eleito coloca o coelho, no epicentro de uma avalanche de estrume legislativo.

A escola de comunicação Farplex, vê-se na obrigação de reformular todo o seu conteúdo programático para o ano lectivo que se inicia hoje, em virtude das declarações acerca da subida de impostos que afinal não são.
Aplicando o principio da inverdade, temos que:

O tribunal sentenciou:
FDP aplicado a Rio significava "Filho da Puta", mas pode perfeitamente não o ser, à luz das declarações do PSD... Local onde militam muitos inverdadeiros FDP.
(FDP, é o partido liberal democrata alemão...)

A licenciatura de Relvas pode ser na verdade, um doutoramento em rancho e vira (tachos).

As privatizações, concessões, são ofertizações.

A ajuda externa, pode ser qualificada de roubo agiota ou extermínio económico.

A UE pode ser qualificada de IV Reich e a integração transformada em mera absorção de estados pelo BCE e o recente MEE.

E podemos mesmo chegar a acreditar, que o CDS não é o partido do táxi, mas sim da carona, tendo em vista a simples poupança de combustível.

António José Seguro irá chumbar o OE 2013, à luz da lei das inverdades... Acabará por se abster violentamente enquanto é chutado da liderança do PS por Costa e Assis.

A equidade serve para criar mais desigualdade constitucional.
A Constituição serve para inconstitucionalizar.

Cavaco não admite mais subidas de impostos, talvez por isso no reino da inverdade, não seja o caso do anúncio do coelho, que se prepara para repetir a gracinha na 4ª feira.

Ansiando por uma reacção violenta do público, que implique a suspensão da constituição por tempo indeterminado.

Na inverdade, vejo ainda os monopólios da EDP, PT, os gordinhos merceeiros, gasolineiros e banqueiros, a contratarem gente como se não houvesse amanhã, reduzindo o desemprego a zero, ao invés de se abarbatanarem dos milhões que lucram cada vez que se ouve o miar do coelho...

Depois do famigerado anúncio atabalhoado, infeliz e badalhoco, o coelho foi chorar-se para as redes sociais enquanto assistia a um concerto, porque tristezas não pagam dívidas.
E não é fácil defender a inverdade, subir impostos e dizer-se o contrário convicto da merda que se está a fazer!

Ainda bem, que não existe 20% de desemprego, pensões de 200 euros ou um salário mínimo nacional líquido que não chega a 400 euros, num contexto, pomposamente apelidado de europeu.

Felizmente o líder da jota laranja, soltou uma ventosidade cerebral, que pode salvar a economia...
Mini jobs (for the boys?)... Haja paciência para tanto vácuo!

Ainda bem que andamos no reino da inverdade, senão era caso para dizer:

Porque carga de água pagamos nós filhos da puta deste calibre?

No reino da inverdade, o padre Marcelo manda beijinhos ao coelho em todas as homilias de domingo e Balsemão uma caixinha de bombons por dia (Mon Cheri com cianeto) ao Dótor Relvas, o iluminado de avental que gosta de brincar às televisões.

Nesse reino da inverdade, Sócrates reúne semanalmente no Porto, em reuniões da tupperware, da Avon e da Yves Rocher... Um verdadeiro estimulo à economia!

O Álvaro não comenta por estar no estrangeiro, significa que na era da informação o "estrangeiro" é demasiado longe para comentar...
O Crato diz que há demasiados professores quando é o único que está "a mais"...

Portas anda à procura de um taxi que o leve a bom porto... Que pode ser ou não, submarino!

Resumindo:

Para a charlatanagem das meias palavras e me(r)didas.
Vão fazer de parvos quem vos fez as orelhinhas, porque a mariquice velada com quem tem dinheiro à séria, não é compatível com a desonestidade com que se engana e persegue o português comum...
Austeridade, nunca foi sinónimo de roubo e coelho nunca foi sinónimo de filho da puta, cobarde e mentiroso.

Mas no reino da inverdade, tudo é possível...!

FDP´s em Bando ou gangue no reino da inverdade


2 comentários:

  1. Sinceramente não vejo bom o futuro, nem solução difícil, existem demasiado lobbys egoístas que anulariam uma revolução/limpeza/purga deste fascismo encapotado, se gastarei a minha voz a reivindicar mudança? hum estou inclinado a isso ...

    ResponderEliminar
  2. Já me doem os dedos de tanto escrever...eheheheh!
    Vejo uma fase de transição, de agitação social pelo rasgo do contrato social, mas vejo também abundância e as pessoas a virarem as costas a um sistema que se tornou ridículo em permanência e defeituoso por natureza...
    Nos sistemas integrados há a melhoria continua, na integração europeia é o contrário...
    Querem-nos mendigos, para ficarem connosco, vão tentar de tudo! Olhos bem abertos.

    P.S- Quando me falam em "purgas" e "limpezas", fico logo cheio de tremores, haja tolerância.
    Let the karma work...;-)

    ResponderEliminar