16 março 2012

As excepções são a última réstia de legitimidade do governo


É sempre cómico de ver o presidente ou o 1º ministro falar de igualdade nos sacrifícios e na consolidação orçamental, quando a cada dia surge uma entidade diferente, que não acata as mezinhas da troika e os salmos pregados de Passos, Portas e Cavaco!

São as terríveis... Excepções

Gente influente e agarrada ao poder, que sobreviveu a vários executivos, passando por entre os pingos da chuva (que não é difícil nos dias de hoje, com a seca!)...

Começou com o Banco de Portugal, que não presta contas ao orçamento, nem ao estado...
E neste momento, são já 9, as excepções aos cortes salariais no sector do estado...
Dará uma empresa por mês desde que o governo entrou em funções, mas breve acabam-se lhe os dedos das mãos para os contar... E aí passarão a contar com os dedos dos pés também!
Se não for suficiente, chamam o Catroga dos pintelhos, que ele é bom a contar (notas)...
São as felizes contempladas:

  • Banco de Portugal
  • Caixa Geral de Depósitos
  • RTP
  • ANA
  • TAP
  • CTT
  • Parque Expo (Onde estava a irmã da ministra PT da Cruz...)
  • Empordef
  • Empresa de Meios Aéreos

O estado pretende pejar estas instituições de boys and girls, parasitando-as partidariamente, prontas para depois privatizar... Garantindo os respectivos financiamentos à posteriori!
Assim a promiscuidade publico privada, continua... Mas num formato liberalizado laranja!

Para compensar a despesa que é, ter estes administradores de topo, nestas empresas, subsidiadas pelo rentáveis para o contribuinte, o estado decide atribuir o subsidio de desemprego aos recibos verdes...
Mas apenas aqueles, que descontarem previamente 2 anos para a Segurança Social...

Traduzindo por miúdos, terá que pagar perto de 200 euros/mês, durante 2 anos (quase 5000 euros...no mínimo!), para poder ter subsidio de desemprego DAQUI A 2 ANOS!

Ora, os 15% que nem sequer tem emprego hoje, aplaudirão certamente esta medida de pé!
Numa ovação fantástica à comédia demagógica sobre os recibos verdes, protagonizada por Pedro Mota Soares... Numa atitude responsável e coerente com a Solidariedade social ou os melhores valores da democracia cristã!

Há claramente desonestidade legislativa em todo este processo, quer das excepções, quer dos recibos verdes!
Daqui a 2 anos, talvez o Português seja já, uma espécie em vias de extinção...

Aí... Será tarde demais para legislar sobre recibos verdes ou desemprego...
Mas para já, as excepções são as únicas a legitimar o regime e a confirmar a regra, de que este governo, é apenas muito mais do mesmo!

Nota: Não se esqueçam de fazer um duplo pagamento ao Farplex, por passarem tantas vezes cá na "tasca virtual"! ;)

Sem comentários:

Enviar um comentário