25 fevereiro 2012

Alvarizar Portugal!


O ministro Álvaro, tira os óculos a cada vez que pretende "ficar bem" nas TV´s cá de casa...
Seria deveras surpreendente, se não fosse uma manobra comum com Clark Kent, que sem os ditos se transformava no intrépido super homem...
Já eu não tenho essa sorte, se tirar os óculos, fico apenas míope...

Voltando ao ministro da economia e emprego...
Álvaro decidiu "recriar" a medida Sócretina, dos empregos fictícios (ou pior... empregos fantasma!) subsidiados...
O estado subsidia...E as empresas que aliviem os números do desemprego...
Os quase 14% anunciados nos media são a fantochada habitual dos números, que infelizmente eu acredito estar próxima dos 20%...

E passo a explicar...
Eu, como tantos outros Portugueses, dirigi-me ao centro de emprego, inscrevi-me...
Alguns meses depois, sem qualquer tipo de contacto (excepto macdonald´s...pelo salário mínimo, ao fim de um "estágio não remunerado"!) ou aviso do centro de emprego, resolvi dirigir-me às filas (que em 2007, já eram grandes...) e o meu "gestor de carreira" informa que eu não estou inscrito...  
Como!?
Refiz a inscrição, em busca de emprego...
Nesse trimestre a notícia era que os números do desemprego baixaram, ouviram-se gritos de "retoma" de Manuel Pinho, foi o pagode...
Explicativo talvez, das milhares de pessoas inscritas, que tal como eu, viram a sua inscrição no centro de emprego, deitada ao lixo... A bem dos números...!

Os números do desemprego, são infelizmente bem maiores que os anunciados...
Mas, será o "emprego" a solução!?

O que é a situação actual do emprego?


São os infâmes recibos verdes, que escravizam a força de trabalho...
São as relações profissionais precárias, num ambiente misto de medo, inveja, ganância e mesquinhice...
Quanto paga uma empresa ao estado, para assalariar um trabalhador em 1000 euros/mês? Outro tanto!? Mais...
Parece-se que a figura do estado é o intermediário que nos come a todos...


Ora se o estado penaliza fortemente com impostos, o emprego, quer nas pessoas, quer nas empresas... 
Acresce a esta relação tripolar entre pessoa, estado e empresa o factor, agências de recursos humanos ou trabalho temporário...


Um intermediário entre a empresa e o trabalhador... Eliminando qualquer interacção ou envolvimento com os objectivos da empresa, numa perspectiva de "dis empowering" da mão de obra...Tornando-a barata, descartável e pouco especializada, apesar de extraordinariamente polivalente...!


Empregos de morte, falta de higiene mental nas empresas?


A pressão taxativa dos estados, é tão grande, em todo o mundo dito civilizado, que a precariedade se torna regra...
O impensável acontece quando, sucessivos trabalhadores da France Telecom cometem suicídio...
Na barragem de Foz Tua, a pressão mediática e a necessidade do governo mostrar serviço, provocou dois acidentes muito graves em duas semanas consecutivas...
Esta semana, um português emigrado na Bélgica, trabalhava ilegalmente e após um acidente de trabalho, foi transportado, não para o hospital, mas para a valeta, sem um pingo de humanidade (ou com toda ela...?Já não sei...), onde morreu abandonado.
A viúva tentada com 10 mil euros... O preço de uma vida...!?
Tá barato demais...

E o que pretende o Álvaro? Senão Álvarizar Portugal...


Dar um gestor de carreira para cada 600 desempregados ( o último com quem falei, chamou-me overqualified...mas não me arranjou emprego!)
O estado pagará às empresas para empregar, depois do que as empresas já pagaram ao estado por empregar, não será solução para nada, a não ser claro, uns meses de paz social, funcionou com Sócrates... Durante 6 anos... E antes disso também!


O ministro quer fazer "o que de melhor há, lá fora" em políticas de emprego...
Podemos começar pelo salário mínimo (ou máximo!) nacional...
Ou então...
Que tal acabar com os recibos verdes...Álvaro?
Ter um sistema de saúde e segurança social que justifique os meus descontos, no lugar de serviços burocráticos super inflacionados.
Que tal as empresas contratarem directamente o trabalhador numa relação bilateral sem estado e sem agências de trabalho temporário...?
Se o Álvaro pretende  pagar a alguém, sugiro que o faça às pessoas a quem o estado deve, que não serão poucas...

Eu sou míope mas vejo bem.
Vá o Álvaro dar engodo de papelão a quem o queira...
Camuflar a realidade do emprego, com pseudo soluções é somente desonestidade e hipocrisia!
Find a job! Alvariza-te...

Sem comentários:

Enviar um comentário