24 outubro 2011

Crise... Não há nada a temer!


Pare um pouco... respire fundo e relaxe!
Acha mesmo que as desgraças que vê diariamente na TV, vão impedi-lo de viver?
Nenhum estado, governo ou politico corrupto lhe poderá retirar a capacidade de pensar por si ou praticar o bem, mesmo que tentem continuamente...
Nenhum serviço noticioso poderá dizer lhe que se sente infeliz e desesperado, quando se está radiante e feliz...
Enfim, nada nem ninguém lhe poderá cortar as asas se quiser voar.

Por isso... cague (bem d´alto!) para as noticias fabricadas na TV, para as políticas e os políticos e vamos ser felizes longe desta gente... Até porque sem nós para os sustentarmos... Eles não durarão muito.

5 comentários:

  1. Pela lógica deste post Tiago, é melhor sermos bem felizes sim! Dessa maneira podemos continuar a sustentá-los, como temos feito até aqui!

    ResponderEliminar
  2. Sónia

    Imagine que larga tudo o que tem de material, o suposto conforto da civilização e ruma para uma zona rural desertificada, apostando num estilo de vida sustentável, livre de impostos, de trânsito, de stress... Não seria mais feliz? Eu não preciso que um estado, ou um banco me diga como viver a minha vida e o que posso ou não fazer... Eu posso fazer o que bem me apetecer, partindo da base de respeito à liberdade do próximo! Não me guio pelos manuais de "beleza e integridade" veiculados pela TV, de gente do sistema, incapaz de lançar um pensamento ou uma ideia... Apenas baseados nas tendências da estação e na última moda consumista e isso não é felicidade--- É financiar quem nos rouba!

    ResponderEliminar
  3. Tiago
    Acabou de descrever um paraíso!! Que feliz que eu fui num pequeno paraíso como esse, com todos os extras que ai aponta, do único que não estava, era livre de impostos, porque a gente do sistema chega a todo o lado. Após a experiência da maternidade, (que dizem que a mulher perde inteligência. Cada vez acredito mais que sim!)acabei por concordar com uma das mais disparatadas decisões da minha vida! Muito contra vontade, acabei por trocar tudo isso pelo conforto da "civilização".Sinceramente embora tenha tudo ao meu dispor, não me adapto. Nunca fui consumista e nego-me a sê-lo.Que prazer me dá usar os meus velhos jeans... Neste momento, (talvez novamente pela perda de inteligência, não sei) estou muito tentada a fazer aquilo que me pediu para imaginar...

    ResponderEliminar
  4. Sónia:

    Vivemos num mundo governado pelo medo... Todos sem excepção tememos a perda de bens materiais, de status, de poder, de dinheiro! Não me parece uma boa filosofia de vida, seriamos todos mais felizes se parássemos um pouco para pensar, no que nos faz verdadeiramente felizes, sem as amarras fiscais, ou bancárias!
    Claro que a maioria das pessoas não concebe sequer a hipótese de viver sem dinheiro e eu questiono-me como é que a humanidade chegou até aqui... Se é certo que o mundo é bem diferente, as possibilidades ao nosso alcance também, virando as costas ao sistema e reduzindo ao máximo a nossa dependência do mesmo!

    ResponderEliminar
  5. Concordo plenamente Tiago!
    Tenho um pequeno ritual, desde que vim viver aqui (Bélgica). Pela altura dos saldos, é impossível caminhar nas ruas, (as pessoas endoidecem, pedem créditos, tiram dias de férias, exclusivamente para passar o dia, de loja em loja) é a melhor altura do ano para visitar monumentos, museus, até para ir ao parque jogar á bola. Então tudo o que faço questão que os meus filhos conheçam, é marcado para essas datas! Encontramos tudo quase deserto, o que demonstra o vicio cada vez maior da população pelo consumo estúpido e sem sentido.

    ResponderEliminar