12 setembro 2011

10 anos depois...


Passaram 10 anos daquele dia em que vimos dois aviões embater no WTC em Nova Iorque.
Volvidos 10 anos, os media globais continuam a querer fazer-nos acreditar em terrorismo islâmico.
Todos os anos nesta data somos brindados com a queda das torres gémeas e uma infusão de medo made in USA com a "guerra ao terrorismo".
Nesse dia perderam a vida cerca de 3000 americanos, mas muitos mais se seguiram nos 10 anos seguintes, devido à espiral de descriminação islâmica em que o planeta embarcou...
Fizeram desaparecer Saddam e Bin Laden, alegando a sua morte... Mas na era da comunicação audiovisual e depois de ver o WTC cair milhões de vezes em 10 anos, não ter uma imagem de Saddam ou de Bin Laden morto, deixa-me desconfiado da veracidade dos factos...
10 anos depois continuo a acreditar, que tudo isto foi uma grande chalaça rumo ao controlo global!
A minha solidariedade vai para todas as vítimas directas ou indirectas deste dia fatídico, onde a ganância e a obsessão de poder falou mais alto que a Justiça ou o Humanismo.
A história encarregar-se- à de trazer a verdade completa sobre este dia para todo o mundo ver!

2 comentários:

  1. Caro Tiago:
    À invasão da polónia pela Alemanha seguiu-se uma guerra que só judeus matou (creio) 8 milhões.
    Foi uma guerra justificada (não há guerras justas, em si mesmas).
    Acredito que o terrorismo islâmico seja uma ameaça global. É uma guerra diferente mas igualmente mundial.
    Cumprts.
    JAM

    ResponderEliminar
  2. Caro João:

    Julgo estar em condições de garantir que o terrorismo económico faz muito mais vitimas, do que o terrorismo islâmico... Até o terrorismo católico as fará mais numerosas! Ambos os terrorismos globais!
    Mas daí, a meia dúzia de terroristas islâmicos, com poderosos X-actos desviarem aviões e passearem se com eles pelos céus de Nova Iorque acertando em torres, que se desmoronaram como baralhos de cartas... É apenas demasiada ficção para mim.
    Os EUA nunca mais foram atacados, porque nunca mais precisaram de o fazer, arranjando um argumento de luxo para fazer o papel de "agressor sem culpa"...
    Cumpts

    ResponderEliminar