30 agosto 2011

Vá, agora a sério...

Acho este executivo muito confuso nas suas prioridades, baralhado demais e o que me preocupa mesmo é que são TODOS... incapazes!

O que espera o Super ministro especial somente Álvaro (Smesa) que aconteça ao seu ministério da economia, senão a Super recessão económica, quando o parceiro das finanças (o "MOEDINHAS") estabelece impostos em toda a linha...? Já a extinção do falso recibo verde...nada!

Miguel Macedo e Aguiar Branco, deixam de ter "pilim" para segurar a "tropa e as polícias" em Janeiro de 2012.

Na saúde Macedo, (desta feita o Paulo...) continua com os cortes no "understaffed" SNS, desta vez nas horas extra dos médicos... Acerca dos enfermeiros, nada!
As farmácias estão em guerra aberta...

Na educação, a geração menos qualificada (a anterior...aquela que recusa "mexer em computadores") não é sujeita a avaliação de professores e fecham centenas de escolas Portugal fora...

Portas conseguiu o verdadeiro "negócio estrangeiro" com o BIC a comprar o BPN por 40 milhões...

Pedro Lambreta Soares, cria uma nova definição de "pobrezinho" e "passe social", criando uma faixa enorme de cidadãos, que não conseguem ganhar dinheiro suficiente para pagar, os impostos e taxas criadas a rodos, trabalhando honestamente.

Super ministra especial Assunção Cristas (Smeac) do MAMAOT, tirou gravatas, num Verão que se mostrou Outono, ou seja, mais uma medida infrutífera deste governo, para arquivar na categoria "deixa-me raspar esta migalha do cu do elefante...pode ser que ele fique mais leve!"

Miguel Relvas, sem ministério oficial, já nomeou apoiantes para todos os sectores essenciais, almejando garantir a permanência no tacho, por largos anos vindouros...

Ele é o subsídio de Natal (A bóia de salvação de muitos Portugueses... Para pagar impostos e empréstimos!)
É a energia taxada no máximo de IVA, como se (não) fosse um bem essencial no quotidiano...Preferia o leite achocolatado a 23%...
São estradas sem custos para o utilizador, mas com (muitos) custos para o utilizador, desertificando ainda mais o interior abandonado.
É o imposto sucessório sobre quem morre e deixa os frutos de uma vida à geração seguinte... A geração Estado!
São os insustentáveis transportes, com aumentos que minam a mobilidade colectiva, paralisando a nossa economia...
São privatizações desnecessárias de bens públicos, que um País tem obrigatoriamente que ter na sua mão, água, transportes, vias de comunicação, energia, telecomunicações e media.
São cortes na saúde e na educação, impossibilitando o acesso a milhares de pessoas.
E agora preparam-se para taxar os mais ricos... Que pouquíssimo (ou nada mesmo!) importados com o facto, deduzirão essa despesa no consumidor final e nos seus funcionários...

Onde nos levam estas medidas, senão ao terceiro mundismo, a um qualquer país africano em guerra civil...
Será que se dão ao trabalho de pensar, de ensaiar mentalmente onde conduzem tais medidas?
Não conseguem vislumbrar o efeito negativo que é ter uma troika a ditar as regras de um jogo viciado?

Seria isto que o 1º ministro Steps Rabbit queria dizer, quando se definia, em campanha eleitoral, "o mais africano"... Africanizar Portugal de vez na UE!?

A sério, parem lá com isso... Por muito que me custe admitir começo a ter saudades do Sócrates!


Por favor parem com isso!
Passos precisa tirar um Coelho da cartola e bem rápido...
...senão, como no resto do mundo, aqui em Portugal... é também a revolução!

Sem comentários:

Enviar um comentário