11 julho 2011

Quem sou eu...?


Uma das 3 famosas perguntas "Quem somos?", "Donde vimos?"  e "Para onde vamos?"... Por sinal a primeira das questões...

Estou em querer que me sinto em condições de responder à 1ª questão...
Vejamos, nasci em Lisboa, já lá vão quase 32 anos...
Sou naturalmente extrovertido e com uma tendência natural para a piada, o gracejo ou a chalaça...
Há quem diga que sou gozão, que tenho ar trocista...
Eu confesso-me irónico e algo sarcástico!!!

Aparento coisas que não sou...
Aparento ser descontraído quando estou tenso, aparento ser confiante, mas nem sempre estou seguro e estou bem em todo o lado mesmo quando me apetece fugir...
São aqueles mecanismos de defesa, essenciais à auto preservação do ego!

Acho que nunca preciso de dizer a alguém o quanto gosto, porque isso se nota claramente nas minhas atitudes...
Porque são as pessoas de quem gosto aquelas a quem dou a minha atenção e o calor da minha personalidade!!!
Para as pessoas que de uma maneira ou outra me magoaram reservo apenas a frieza do carácter e um distanciamento evidente quase irreversível...

Muitos dirão que sou teimoso, eu considero-me apenas determinado, o difícil é acreditar numa ideia, num projecto ou em algo que considere meritório de ser seguido! Mas acreditando irá até ao fim...

Sou deveras intuitivo, o que me traz problemas não raras as vezes, por aliar esta "intuição" a um sentido crítico de palavra afiada e discurso directo!

Toda a vida lidei com a distância física daqueles que mais gosto e como tal provoco estranheza nos demais por não ser aquela pessoa que telefona, escreve e dá notícias...
Aliás, nunca o faço, essas pessoas vivem no melhor local do mundo, na minha mente e no meu coração!

Sinto que consegui muitas vitórias ao longo da minha vida, talvez pudesse ter tido mais... Ou talvez não!
Sinto também que as vezes que perdi estavam adstritas à fidelidade de princípios, por ignorar preconceitos vários e ser indiferente a mentes arcaicas ou preciosismos sociais... Precisamente o que me fez ter tantas vitórias.

Senti muitas vezes que não estava no lugar certo, mas procurei sempre adaptar-me o melhor possível e retirar o sumo da experiência! Mesmo quando o ambiente era extremamente hostil...

Gosto de muita coisa e de muita gente, tenho sempre presente o meu passado e os episódios que vivi e as pessoas que de uma maneira ou outra me foram moldando o ego, com carinho ou pancada, tanto faz!
Ambos contribuíram para o que sou hoje...

E sem qualquer certeza do futuro, sei que posso ser muito mais!

Mas o calor do meu coração está reservado para muito poucos, talvez apenas para aqueles que consigam transpor a frieza do meu aspecto e das minhas palavras!

Aconselho sempre aqueles que amo... E quase sempre sigo apenas o que trago no peito!

Não sei tudo, mas procuro sempre saber mais...

Vivo em permanente introspecção e por mais que escreva nunca conseguirei definir-me na totalidade!

Quem quiser saber mais, pergunte...

9 comentários:

  1. Amigo!
    É criativo e não "creativo".

    ResponderEliminar
  2. Tem toda a razão... E onde está a palavra criativo neste post?

    Obrigado pela correcção...:D

    ResponderEliminar
  3. Caro Tiago:
    Lealdade para com os amigos. Fundamental
    Tenho de si a impressão de uma pessoa leal, mesmo sem nunca o ter visto.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Caro João:

    Sim, sou leal para as pessoas que me querem bem e a quem eu quero bem...
    Eclipso-me totalmente quando me tentam prejudicar!!!
    Personalidades, enfim...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. escrita creativa
    Veja a descrição do blogue!

    ResponderEliminar
  6. Caro Castanho:

    Mesmo debaixo do meu nariz e nunca tinha reparado...:)
    Obrigado.

    ResponderEliminar
  7. "Verbo ser

    Que vai ser quando crescer?
    Vivem perguntando ao redor. Que é ser?
    É ter um corpo, um jeito, um nome?
    Tenho os três. E sou?
    Tenho de mudar quando crescer?
    Usar outro nome, corpo e jeito?
    Ou a gente só principia a ser quando cresce?
    É terrível, ser? Doí? É bom? É triste?
    Ser; pronunciado tão depressa e cabe tantas coisas?
    Repito: Ser, ser, ser er r.
    Que vou ser quando crescer? Sou obrigado a?
    Posso escolher?
    Não dá para entender. Não vou ser.
    Vou crescer assim mesmo.
    Ser ser esquecer."

    Carlos Drummond de Andrade

    Somos o que somos, porque assim nascemos...e ainda bem que assim é.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  8. Sónia:

    Muito bonito!
    Obrigado por ter partilhado...;)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Este poema é realmente bonito, mas antes que me digam, tem um erro, na ultima frase.
    Não é, "Ser ser esquecer", mas sim, "Sem ser esquecer". Um poema destes não pode ser partilhado com erros, não é?
    Beijinhos e continue a ser assim , sem ser, porque já somos , muito antes de sermos.

    ResponderEliminar