07 fevereiro 2011

Da Geração rasca à Geração sem remuneração...


Foi Vicente Jorge Silva que nos apelidou de "Geração Rasca", quando ao manifestarmos o nosso desagrado com o estado da educção, ao então 1º ministro, Cavaco Silva, lhe mostrámos as "nalgas"...
Falo na 1ª pessoa do plural, porque também eu, sou da Geração dita Rasca, mas que apesar de mais "à rasca" do que rasca, se safará como sempre até aqui...
Foi nas letras dos Deolinda e de Ana Bacalhau que passámos a ser a "Geração sem remuneração", com a arte a dar mais um grito de revolta contra o actual estado de coisas... O INSUSTEN(es)TADO!!!

Outros antes tentaram à sua maneira dar o "grito do Ipiranga"... Aquele rapaz que "quer um T2...", os homens da luta, sempre activos, pertinentes e incómodos q.b nas suas brilhantes intervenções, os Xutos com a canção do "Sr. Inginheiro" e até uma famosa troca de bandeiras na Câmara de Lisboa, protagonizada pelo Darth Vader...

Tudo isto são pequenos sinais "pacíficos" daquilo que está para vir...

Está visto que o poder político vive sem soluções, sem arrojo, audácia, coragem ou vontade de mudar o que quer que seja... Porque este estado de coisas lhe serve, a si e aos seus!

A Democracia Portuguesa, nada mais é do que uma palhaçada pegada, agregada ao fenómeno de "ganhar eleições"...

A nossa sociedade está pejada de pessoas com regalias vitalícias que não merece ou pelas quais não fez rigorosamente nada, contra outros que dão o pouco que tem, para manter os primeiros em grandeza de status!!!

A minha Geração é a mais qualificada de sempre neste País, com conhecimento, capacidade e criatividade em quantidades tais que permitiria mudar os rumos deste País, para algo muito melhor!
Quantos de nós precários, sem remuneração e/ou desempregados, não reconhecem capacidades técnicas nas suas chefias??? E nos nossos políticos, nos nossos governantes, no nosso sistema!

A Geração que fez um 25 de Abril, acha que o poder é vitalício e permanente... Mas todos nós vamos provar o contrário!!!
A descredibilização de um sistema sem soluções que irá colapsar em si mesmo...

Veja-se a abstenção ao Presidente (Leia-se a Abstenção com maiuscúla e o presidente com minuscula...), que apesar de ser "para todos" os Portugueses, certamente não será "de todos"!!!

Sócrates refere que não haverá despedimentos na função pública, e é alvo de chacota de todos os Portugueses, que não acreditam numa única palavra do que diz...

O PSD esfrega as mãos de contente, mas já admitiu despedimentos e privatizações com força para as clientelas...Nada muda... Nem as moscas, nem a merda!

Mas se por acaso um vírus infectar o site das finanças e não houver declarações de IRS referentes a 2010, aí é capaz de doer um pouco...
Se há eleitores que não puderam votar, certamente que o estado lhes perdoará os impostos...

Se deixarmos de cumprir prescrições infundadas... E argumentar com base nas leis criadas pelos próprios!
Se nos informamos e utilizarmos o sistema contra ele próprio...
Fazendo com que os meandros da burocracia e dos burocratas se contradigam... Aí teremos festa!

Podemos ter o futuro hipotecado, mas seremos inteligentes o suficiente para combater este sistema com as suas próprias regras, fazê-lo ruir nas suas falhas, explorar as omissões e destituir do poder quem se apropriou dele, não a bem de um País, de um povo ou de uma Nação, apenas com as "vistas curtas" características dos ladrões, dos oportunistas e dos vigaristas!

O SISTEMA, tem que ruir... A bem ou a mal!!!

Portugal parece uma Caravela "à bolina" da NATO, da UE, do FMI, dos mercados, do Cherne e outras merdas (leia-se clientelas...) mais, que inibem decisões políticas e reformas, decentes, profundas, justas e igualitárias para TODOS!

Da Geração rasca à Geração sem remuneração... Passaremos a ser a GERAÇÃO DA REVOLUÇÃO

2 comentários:

  1. Pôr os "homens da luta" no lote destes músicos parece-me errado e muito forçado. Homens da luta são uma palhaçada pegada que descredibilizam qualquer acção social. Fazem com que as pessoas que protestam se sintam como anedotas...

    ResponderEliminar
  2. Caro Sadino

    Não discuto acerca da qualidade artística de uns e outros...
    Talvez a via dos homens da luta seja a comédia...no entanto não deixa de ser uma acção de contestação como outra qualquer.

    ResponderEliminar