12 dezembro 2009

Maioria absoluta

A Democracia Portuguesa está tão bem concebida e é tão funcional, que apenas cabe o conceito de ingovernabilidade deste País no seu interior, senão vejamos:

Durão e Portas aliaram-se, desgovernaram, Durão fugiu e passou a fava a Santana e Sampaio, (que até hoje ainda ninguém percebeu bem porquê...) demitiu Santana!

Sócrates tem maioria absoluta, põe e dispõe, acaba com professores, órgãos de comunicação social, enfim, um pequeno ditador na República do "quero, posso e mando!"

Sócrates tem governo de minoria, não aparece, não fala, não faz... Todos lhe querem a pele e multiplicam-se os casos onde o Primeiro e a sua prole está envolvida, mas com jeitinho suficiente para ninguém ser o responsável pela queda de um governo, que nem sequer foi eleito para governar...

Como a oposição, não serve para se opor... apenas para cobiçar os lugares!

Depois assistimos a "palhaços" (desculpem!) políticos que se insultam uns aos outros, porque não sabem o lugar que ocupam e o povo que representam, apenas representam os seus egos e carteiras e depois dá nisto... O Português é que já há muito perdeu a paciência para este tipo de circo e estas palhaçadas...

A raiz da fraca qualidade democrática em Portugal, tem origem no cérebro partilhado partidário, onde as pessoas abdicam do seu potencial para defender ideias e/ou pessoas nas quais não acreditam, nem todos tem vocação para ser político, mas a verdade é que muitos o são apenas pelo dinheiro, poder e influência que o(s) cargos possam trazer...

E porque é que as pessoas que estão no parlamento são essencialmente as mesmas?
Porque é que o PS nomeia os Governadores Civis?
Porque é que escondem aquilo que nós estamos fartos de ver acontecer?
Porque é que a classe política insiste em esconder a podridão dos seus corredores aos eleitores?
Esta terceira república nasceu torta, fundeada numa mentira, num atentado nunca explicado...
Volta Sá Carneiro, que a justiça será feita...

Sem comentários:

Enviar um comentário